Mapeamento estratigráfico utilizando sísmica de alta resolução no trecho da futura Ponte Salvador-Itaparica

Isaac de Oliveira Santos (1) , José Maria Landim Dominguez (1)

(1) Universidade Federal da Bahia – UFBA, Instituto de Geociências, Campus Universitário de Ondina,
Rua Barão de Jeremoabo, s/n., CEP 40170-115, Salvador, BA, BR (isaac.os@hotmail.com; landim.jmd@me.com)

As sequências sedimentares marinhas do Quaternário têm sido amplamente estudadas pela sísmica marinha de reflexão rasa, a qual se baseia na propagação das ondas sísmicas, com o intuito de realizar imagens das feições geológicas de subsuperfı́cie. Dados sísmicos em associação com furos de sondagens SPT podem produzir informações sobre litologia, coesão, profundidade, espessura e continuidade lateral das camadas, tendo assim grande utilidade no planejamento e na execução de obras de engenharia em regiões submersas, como pontes. Este trabalho realizou o mapeamento estratigráfico para identificar o topo do substrato rochoso e a espessura da cobertura sedimentar recente na região da Baía de Todos os Santos (BTS), na qual será construída uma ponte que ligará a cidade de Salvador à ilha de Itaparica. As linhas sísmicas de alta resolução foram obtidas utilizando-se fontes Boomer e Sparker. As linhas foram processadas por meio de um fluxo de processamento normalmente utilizado na indústria do petróleo no aplicativo Seismic Unix. A interpretação das linhas foi feita no aplicativo Meridata MDPS. Dessa forma, o embasamento rochoso (bacia do Recôncavo) foi mapeado, e a espessura da cobertura sedimentar quaternária foi determinada. Quatro unidades estratigráficas foram identificadas, sendo que a mais basal são as rochas sedimentares da Bacia do Recôncavo. Dentre as três unidades quaternárias identificadas, a mais inferior se acumulou sob condições subaéreas antes da inundação da baía. As duas unidades superiores se acumularam após a inundação da baía e estão separadas entre si por uma superfície de ravinamento por marés.



Clique aqui para efetuar o download do artigo em formato PDF.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *