Caracterização Geofísica e Hidrogeológica do Cemitério Bom Jardim, Fortaleza – CE

David Lopes de Castro, D.Sc (*)

Um estudo multidisciplinar, envolvendo dados geofísicos, geológicos, hidrogeológicos e hidroquímicos, foi desenvolvido para a caracterização geoambiental da região do cemitério Bom Jardim em Fortaleza, Ceará – Brasil. O reconhecimento do meio rochoso foi efetuado com base em inúmeras sondagens elétricas verticais (SEV’s) e seções GPR e EM-34, além de furos de sondagem com análises composicionais, granulométricas e de condutividade hidráulica das amostras de solo coletadas. A caracterização hidrogeológica da região do cemitério foi baseada na assinatura geofísica do substrato rochoso, nos dados topográficos da área, medidas dos parâmetros hidrogeológicos e análises físico-químicas da água subterrânea, obtidos em poços de monitoramento. A qualidade da água subterrânea local foi avaliada através de análises físico-químicas e microbiológicas para indicadores de contaminação por necro-chorume. Amostragens periódicas permitiram avaliar as influências sazonais nos parâmetros hidrogeológicos do aquífero ao longo de um ciclo hidrológico completo. Concomitantemente, pretendia-se obter as assinaturas geofísicas de possíveis plumas de contaminação por necro-chorume. Contudo, altos teores de sais dissolvidos e microrganismos estão presentes em todo o aquífero livre da região, mascarando possíveis contrastes de propriedades elétricas ou eletromagnéticas entre as áreas de maior concentração de necro-chorume na necrópole e nas regiões circunvizinhas.

(*) Geólogo pela UFRN, mestre em Geofísica pela UFPA e concluiu o doutorado em Geofísica na Christian-Albrechts Universitat – Kiel (Alemanha) em em 1995. Professor adjunto da Universidade Federal do Ceará, associado ao Laboratório de Geofísica de Prospecção e Sensoriamento Remoto. Atua na área de Geociências, com ênfase em Geofísica Aplicada ao estudo de bacias sedimentares, cartografia geofísica regional, hidrogeologia e meio ambiente. É editor-chefe da Revista de Geologia (UFC) e membro da Sociedade Brasileira de Geofísica e da Sociedade Brasileira de Geociências.



Clique aqui para efetuar o download do artigo completo em formato PDF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *