Rompimento da barragem de Brumadinho: a liquefação e os aspectos geotécnicos envolvidos.

Caro Profissional de Engenharia e Geotecnia,

Estamos completando duas semanas desde o rompimento da barragem de rejeitos de mineração da Vale em Brumadinho. Um evento trágico, que causou comoção em todo país e que coloca em xeque, mais uma vez, a segurança do projeto, execução e conservação deste tipo de estrutura. Este novo acontecimento, cerca de três anos após outra tragédia de proporção equivalente, o rompimento da barragem de Fundão da Samarco Mineração, cuja abordagem técnica foi tratada aqui em outro artigo em setembro de 2018 (clique aqui), está fomentando novamente a discussão no meio técnico sobre suas causas e maneiras de se evitar que tragédias com esta se repitam. 

Apesar do pouco tempo desde o acontecimento, as primeiras análises indicam que, assim como no rompimento da barragem de Fundão, a liquefação dos rejeitos, teve participação preponderante no aumento da sobrecarga sobre a barragem e no seu consequente colapso. Estamos trazendo nesta publicação um artigo publicado no COBRAMSEG 2010, pelos pesquisadores Lorena Romã Penna, Waldyr Lopes de Oliveira Filho, Luiz Gonzaga de Araújo e Francisco Eduardo Almeida, com um estudo realizado sobre o fenômeno da liquefação, tendo como estudo de caso, uma análise realizada na barragem de Germano, da própria Samarco Mineração, durante aquele ano.

É importante ressaltar na publicação, os aspectos geotécnicos do estudo, bem como a importância da correta caracterização do solo para que se tenha condições de analisar com profundidade o fenômeno e a partir destas análises, tomar as providências adequadas para operação em segurança de tais estruturas.

Boa leitura…

Eng. Dário Furtado
Engenheiro Civil 
Analista de Sistemas 
M.Sc. Engenharia COPPE/UFRJ

Link para acesso ao pdf do artigo no final da página.



clique aqui para efetuar o download do artigo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *