Análise geomecânica da estratigrafia do pré-sal na perfuração de poços na bacia de Santos.

Maria Alice Morgado Castanheira Cordeiro Fernandes
Petróleo Brasileiro S.A. (PETROBRAS), Rio de Janeiro, Brasil, maria.fernandes@petrobras.com.br

Guilherme Lima Righetto
Grupo de Tecnologia e Engenharia de Petróleo (GTEP), PUC-Rio, Rio de Janeiro, Brasil, righetto@puc-rio.br

Sergio Augusto Barreto da Fontoura
Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, (GTEP), PUC-Rio, Rio de Janeiro, Brasil, fontoura@puc-rio.br

O conhecimento do comportamento mecânico das rochas é fundamental para o desenvolvimento dos estudos de estabilidade voltados à construção de poços de petróleo. Neste sentido, a estimativa de suas propriedades mecânicas e a determinação do campo de tensões atuante são necessários para compreender as deformações às quais estão sujeitas. De modo a avaliar os efeitos da perfuração no comportamento mecânico das rochas, foram construídos modelos numéricos das litologias comumente descritas no pré-sal de um campo da bacia de Santos. Em um primeiro momento, idealizou-se um estudo de retroanálise de poço a fim de estabelecer uma metodologia a ser aplicada e, uma vez que os resultados numéricos obtidos reproduziram de maneira satisfatória os dados constatados em campo, a técnica foi validada. Em um segundo momento, foram construídos modelos numéricos de litologias previstas em um poço sintético para um teste cego, tomando por base tanto as propriedades mecânicas estimadas das rochas quanto o estado de tensões in situ determinado em poços de correlação. Por último, os resultados obtidos neste teste foram comparados aos dados reais de um poço da área, de modo que foi possível corroborar a metodologia aplicada neste estudo pela coerência entre os dados numéricos e os constatados em campo.



Clique aqui para efetuar o download do artigo em formato PDF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *